Trilhas

As trilhas ecológicas...

Em outros tempos, as trilhas eral utilizadas para suprir as necessidades de deslocamento do homem, já que surgiram em uma época onde parte dos veículos de transportes utilizados hoje, ainda não exixtiam. Mais tarde, se tornaram um espaço lúdico de vivência na naturezaem meio a paisagens de relevante valor cênico e espécies de fauna e flora preservadas. Atualmente, as trilhas ecológicas movimentam um grande número de adeptos e simpatizantes desta modalidade turística, conhecida como ecoturismo.

Trilha da Galheta (Bombas) – 1.950,00 m:
Esta trilha se caracteriza como circular por permitir o retorno ao ponto de partida, sem repetir o percurso. Vegetação de mata atlântica secundária nos estágios médio e avançado.

Grau de dificuldade: semi-pesada a regular (acima de 4.500m). Requer melhor condicionamento físico do praticante.

Percurso: 3 a 5 horas (3.676m - ida e volta)
Pontos da Trilha - Enseada da Galheta e Praia do Caeté.

Aspectos Culturais: Próximo do início da trilha há uma gruta de pedra chamada 'Oratório', que segundo os antigos havia ali tesouro de piratas. Contam os nativos que enxergavam luzes saindo do local, acreditando que as almas destes piratas permaneciam lá guardando o tesouro.

Trilha do Morro do Macaco (Canto Grande) – 760,00 m:
Caracteriza-se como uma trilha linear, apesar do caminho ser relativamente simples e comum. Seu percurso apresenta vista aérea de várias praias, consição como a de um mirante natural. O retorno é o mesmo do caminho de ida. Vegetação de mata atlântica secundária nos estágios médio e avançado.

Grau de dificuldade: semi-pesada. É necessário apenas ter boa saúde.
Percurso - aproximadamente 2 horas (1.632m - ida e volta)

Pontos da Trilha: Vista panorâmica das ilhas e da Baia de Canto Grande w Mariscal (360°)

Aspectos Culturais: os mais antigos chamavam o local de 'morro dos macacos' por existir macacos no local. Outra versão da origem do nome, é que os nativos utilizavam o local para o plantio de mandioca e cana-de-açucar. Para isto, praticavam queimadas periódicas, o que dava ao morro um aspecto do próprio macaco, pelas cores amarronzadas da vegetação queimada.

Trilha da Tainha 1.700,00 m:
Caracteriza-se como uma trilha linear, apesar de seu caminho ser relativamente simples e comum. Seu percurso apresenta praias e o caminho de retorno é o mesmo da ida. A Praia da Tainha foi o primeiro local a ser ocupado pelos moradores do Canto Grande e a trilha servia como acesso. Sua vegetação é formada por mata atlântica primária, mata atlântica secundária nos estágios inicial, médio e avançado.

Grau de dificuldade: Fácil. Necessário apenas ter boa saúde.

Percurso: 3 a 5 horas aproximadamente (5.178,34m - ida e volta)

Pontos da Trilha: Porto da Vó. Praia da Aguada e Pedra da Vaca.

Aspectos Culturais: Existência de um abrigo de pedra onde eram feitos os barcos de madeira utilizados na época, algumas esculpidas em um único tronco de madeira nobre da região, o guapuruvu (Schilozobium parahy ba). Alguns antigos ainda contam histórias de fantasmas e vozes provenientes dos barulhos e sons diferentes vindos dos bambuzais.

Trilha da Santinha:
Caracteriza-se como uma trilha linear, com um caminho de percurso fácil, onde existe um local de entrada e outro de saída. É uma Zona de Preservação Permanente (ZPP), com vegetação de mata atlântica primária, em estágio avançado. O local é um fragmento de um dos mais importantes corredores ecológicos do Sul do Brasil.

Grau de Dificuldade: Fácil. É necessário apenas ter boa saúde.

Percurso: 1 hora (800 m aproximadamente - ida)

Pontos da Trilha: Capelinha de Nossa Senhora das Brotas na entrada do percurso. No ponto mais alto da trilha, vista para as praiasde Mariscal (mar de fora) e Canto Grande (mar de dentro).

Aspectos Culturais: Na entrada, pode se ver a Gruta em devoção à Nossa Senhora das Brotas, protetora das nascentes, e também os vestígios de ocupação remota com a presença de taipas.


Trilha da Costeira de Zimbros (ARIE) – 4.500,00 m:
Caracteriza-se como uma trilha linear, ou circular (por mar ou terra) de caminhos simples e comum. Apresenta várias praias durante o percurso, e se a opção for realizá-la apenas no município de Bombinhas, o caminho de retorno é o mesmo da ida, porém seu traçado pode permear o território de Porto Belo. Assim, sua função quanto à classificação passa a se enquadrar como "wilderness trails" (trilha cênica). Uma outra opção que a trilha oferece é a volta pelo mar (passeios de barco oferecidos por pescadores da última praia do município (Ponta Grande). A trilha ainda possui cachoeiras e locais paradisíacos. A vegetação é bastante diversificada, com a presença de ecossistemas associados à mata atlântica, como restingas e manguezais.


Grau de Dificuldade: Moderado. Requer preparo físico para longas caminhadas e locais com alta declividade.

Percurso: 4 a 7 horas aproximadamente. (11.835,54m - ida e volta).

Pontos da Trilha: Praia do Cardoso, Praia da Lagoa, Praia Triste, Praia Vermelha, Praia da Ponta Grande e a Praia da Ponta de Santa Luzia (município de Porto Belo).

Aspectos Culturais: Na Praia da Lagoa, seguindo o curso d'agua, podem ser encontradas ruínas de construções antigas, com paredes feitas de pedras e óleo de baleia. Em uma delas pode ser vista um buraco no centro, e suas origens ainda estão sendo estudadas. Nas mediações da Praia Triste, ainda há a presença de sambaquis e oficinas (panelas e bugre). Segundo contadores de histórias, o local ficou conhecido como Praia Triste por ser onde os navios negreiros separavam as famílias de escravos.

 

 
Publicidade